Inovação

Cientistas criam roupa que gera e acumula energia

Com o intuito de tornar as roupas de energia  “inteligentes”,acoplar as funcionalidades junto com  uso de circuitos eletrônicos.

A fim de alimentar seus sensores , telas, atuadores, sistemas de comunicação, etc elas precisarão gerar energia.

Porém ainda é cedo para fazer palpites sobre qual é a melhor solução em termos de eficiência, praticidade e biocompatibilidade.

Em vez de optar por uma das alternativas,os cientistas Lu Yin e seus colegas da Universidade da Califórnia em San Diego compilaram todas e colocá-las em uma roupa, criando o que eles chamaram de “microrrede de vestir”.

No segmento da engenharia elétrica, as microrredes consistem em uma malha de distribuição de eletricidade pequenas, independentes e que  operam como ilhas individuais.

Energia gerada por uma roupa

Para uma roupa gerar sua própria eletricidade precisa não apenas ser lavável, flexível, ter estampas impressas pelos tradicionais métodos.

Mas também necessita de três tecnologias fundamentais, células de combustível movidas a suor, supercapacitores que armazenam energia e geradores triboelétricos.

Um pouco mais sobre biocélulas, supercapacitores e nanogeradores

No tórax localizam-se no interior as células movidas por  biocombustíveis, que captam a energia do suor e no exterior os supercapacitores.

Temporariamente guardam a eletricidade dos dispositivos geradores, libera-os  gradativamente para suprir eletronicamente os aparelhos.

Enquanto nanogeradores triboelétricos encontram-se no exterior da camisa, nos antebraços e nas laterais do torso.

Na região da cintura e são responsáveis por coletar energia do movimento dos braços contra o torso à medida que o usuário mexe-se ou anda.

Testada em sessões de meia hora a microrede vestível,  foi capaz de alimentar um relógio de pulso LCD.

Bem como uma pequena tela composta de óxido de tungstênio- um aparelho que altera sua cor após ser exposto  a uma tensão – ao longo de cada uma dessas sessões..

Na próxima etapa, o time quer desenvolver sistemas que sejam capazes de captar energia enquanto o usuário encontra-se em repouso ou se movimentando pouco.


Imagem em destaque: Foto/Reprodução ScienceMint

Fonte: Inovação Tecnológica

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo