Inovação

China criou robô para limpar lixo espacial

Não há dúvidas de que um robô para limpar lixo espacial é essencial nos dias atuais. Por isso, a startup chinesa chamada Origin Space, que desenvolve equipamentos para a mineração espacial, desenvolveu robô que captura detritos.

Com o nome de NEO-01, esse robô é uma grande inovação que pode contribuir para a diminuição de lixo na órbita da Terra. 

Visto que desde 1957, data do lançamento do Sputnik – primeiro satélite artificial -, vem sendo deixada vasta quantidade de lixo. 

Principalmente, resultantes do enorme número de satélites enviados, muitos dos quais já estão inativos, espaçonaves e missões espaciais anteriores.

Assim, é fato que outros países investiram também em estratégias de limpeza espacial. Por exemplo, o Japão, que desenvolveu a Astroscale, tecnologia que usa a atração magnética para recolher o lixo com seus ímãs. 

Como funciona o robô para limpar lixo espacial

Diferente da Astroscale, o robô lixeiro da China usa uma extensa rede que coleta o lixo. Nesse sentido, lançou-se um protótipo, neste mês, ao redor da Terra, em sua órbita baixa, pesando 30 Kg!

Em seguida, o lixo recolhido é levado para um compartimento para ser queimado pelo sistema de propulsão elétrica do NEO-01.

A fim de enviar o robô para a órbita da Terra, usou-se o Longa Marcha 6, foguete que também transportou satélites menores na ocasião.

Ademais, muito mais que limpar o espaço, o robô lixeiro fará observações de corpos celestes pequenos e do espaço profundo.

Consequentemente, pedaços de foguetes, de satélites desativados e demais detritos espaciais, que viajam em alta velocidade, serão coletados. 

Para que se eliminem os riscos que eles representam às espaçonaves ativas.

Conforme o êxito do robô, a Origin Space, empresa responsável, vê um avanço em direção à exploração mineral de asteroides.

Aliás, seu desejo é desenvolver muitos outros telescópios e espaçonaves com tecnologias que permitam realizar a mineração comercial dos asteroides até 2045! 

Com intuito da China alcançar países, como os Estados Unidos, no segmento espacial em menos de uma década.

E aí, o que você acha? Compartilhe!


Imagem em destaque: Pixabay

Fonte: Olhar Digital

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo