Notícias

Magnetosfera da Terra pode transportar água para a Lua

Se alguns anos atrás ter água na Lua parecia algo improvável, não podemos dizer o mesmo de agora, a ciência está sempre ajudando a mudar nossas concepções. Diversas expedições já identificaram o lugar onde se encontra este importante elemento à vida em nosso satélite natural.

Um novo estudo pode ajudar os astrônomos a desmistificarem como a água pode ter chegado ao solo da Lua através da magnetosfera da Terra.

Onde existe água na Lua?

Foi identificada na forma de gelo nas crateras que estão situadas em sombras eternas, bem como nas rochas vulcânicas e em depósitos de solo de ferro enferrujado.

O que propõe essa teoria?

Que os iões de hidrogênio carregados positivamente são impulsionados pelo vento solar e se chocam com a superfície lunar e reagem para formar água.

De acordo com o estudo, o vento solar pode não ser a única fonte de iões formadores de água, as partículas da Terra podem semear nosso satélite natural com água.

Comparando uma série temporal de mapas de superfície da água antes, durante e depois do trânsito da magnetosfera, os pesquisadores argumentam que a água lunar pode ser reabastecida por fluxos de íons magnetosféricos, também conhecidos como “vento da Terra”. A presença desses íons derivados da Terra perto da lua foi confirmada pelo satélite Kaguya, enquanto as observações do satélite THEMIS-ARTEMIS foram usadas para traçar o perfil das características distintivas dos íons no vento solar versus aqueles dentro do vento da Terra da magnetosfera.

As observações anteriores do satélite Kaguya durante a lua cheia detectaram altas concentrações de isótopos de oxigênio que vazaram da camada de ozônio da Terra e se incrustaram no solo lunar, junto com uma abundância de íons de hidrogênio na vasta atmosfera estendida de nosso planeta, conhecida como exosfera. Esses fluxos combinados de partículas da magnetosfera são fundamentalmente diferentes daqueles do vento solar . Assim, a última detecção de água superficial neste estudo refuta a hipótese de blindagem e sugere que a própria magnetosfera cria uma “ponte de água” que pode reabastecer a lua.

O estudo empregou uma equipe multidisciplinar de especialistas em cosmoquímica, física espacial e geologia planetária para contextualizar os dados.

E o que nos resta esperar do futuro com todos esses avanços? Deixe nos comentários sua opinião e compartilhe.

Engenharia Hoje

Há mais de 9 anos no mercado, o Engenharia Hoje é um dos maiores portais de engenharia do país, sempre levando conteúdos sobre Tecnologia, Inovação e muito mais.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo